Noticiário: como falar dos acontecimentos com as crianças de forma adequada?

Comemoração de Ação de Graças é oportunidade para conhecer melhor a cultura norte-americana
2 de dezembro de 2019
Participação dos pais na escola contribui para o aprendizado das crianças
17 de dezembro de 2019

Abordagem deve ser neutra, mas mostrando a diferença entre fato e opinião; texto jornalístico pode ser ponto de partida para pesquisas, debates e produção de textos

Seja pela internet ou pela televisão, as notícias chegam para as crianças e fazem parte do seu cotidiano. Algumas delas, no entanto, por tratarem de temas mais sensíveis, como violência, ou questões polêmicas envolvendo política, exigem um cuidado maior na abordagem.

Bárbara Yuka, coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental I da Escola Roberto Norio, diz que as notícias trabalhadas com cada turma são selecionadas de acordo com a faixa etária dos alunos, mas que os professores sempre devem estar preparados para as discussões que as próprias crianças trazem para a sala de aula.

“A partir do 3º ano, elas começam a comentar na classe o que veem na televisão ou o que ouvem os pais falando em casa. Deixamos as crianças se expressarem, mas precisamos sempre ponderar e explicar o que é fato e o que são opiniões, e que os pontos de vista podem ser diferentes”.

Quando é a própria professora que propõe o trabalho com algum acontecimento, em geral, ela pede que as crianças pesquisem sobre o ocorrido, orientando a busca na internet e, partir das informações que trazem, pode ser feita uma atividade de debate ou de produção de texto.

Neste ano, foram abordadas, por exemplo, a tragédia de Brumadinho (MG) e as queimadas na Amazônia. Sobre a cidade mineira, os alunos a localizaram no mapa, montaram um jogo com perguntas relacionadas à região e falaram sobre os motivos do desastre ecológico, as suas consequências e a questão das responsabilidades. Também produziram textos sobre o tema. Em relação às queimadas, procuraram notícias sobre o assunto e discutiram como aconteceram os focos de incêndio num local de clima úmido, como a fumaça chegou ao Sudeste e o que a população poderia fazer para amenizar o problema. As notícias também foram relacionadas ao conteúdo curricular de Geografia.

A associação de notícias com assuntos programáticos também ocorreu em relação ao aumento dos casos de dengue no país, pois os alunos estudam as medidas de prevenção a algumas doenças em Ciências. “Eles fizeram cartazes mostrando como se combate o mosquito transmissor da dengue e um teatro sobre a importância da vacinação”, conta a coordenadora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *